"Dê-me uma selvageria cujo vislumbre nenhuma civilização seja capaz de suportar"

PRIMITIVISMO --- SABERES TRADICIONAIS --- SAÚDE NATURAL --- EVOLUÇÃO HUMANA

terça-feira, 26 de abril de 2011

Taboa - Typha angustifolia

Fonte: Wikipedia

Planta comestível, despoluente e artesanal.
Nome científico: Typha angustifolia L. (sinonímia: T. domingensis Pers.)
Nomes populares: Taboa, tabôa, tabua, pau de lagoa, partasana, paina-de-flexa, paineira-de-flexa, paineira-do-brejo, espadana, landim, capim-de-esteira, tabebuia, erva-de-esteira.
Família: Typhaceae
Centro de origem: América do Sul.
Planta aquática, ereta, de caule cilíndrico, chegando até 2-3 metros de altura. Abundante em margens de corpos d'água, o que leva alguns a consideram a espécie como daninha. Vigorosa, cresce e se reproduz rapidamente.

Esta planta é muito comum no país, e até por isso deveria ser melhor compreendida. O fato mais interessante é que se trata de uma planta comestível, e muito nutritiva. Partes comestíveis são: os brotos, crus ou cozidos, que parecem palmito; o pólen, que fica na parte superior da planta, rico em vitaminas, sai fácil na mão e é comido ao natural (e é delicioso); e o rizoma (ou raiz), que recomenda-se ser servido cozido, e possui teor de proteína igual ao do milho e teor de carboidratos igual o da batata. Coisas que me levam a perguntar: porque tanto trabalho plantando batatas e milho mesmo?

O biólogo Valdely Knupp, que têm trabalhado no projeto PANCs - Plantas Alimentícias Não-Convencionais, mostra melhor a planta e como comê-la no vídeo abaixo (nas referências), além de trazer mais informações. Por sinal, vale a pena assistir todo o vídeo, onde ele fala de mais algumas plantas.

Voltando à taboa, esta planta simpática também têm outros usos: a folha é utilizada para artesanato, na confecção de esteiras, cestos, tapeçarias. A fibra da folha serve para fazer papéis, cartões, ou outros tecidos. A inflorescência (parte que parece uma "salsicha") serve para encher travesseiros e almofadas. Existem inclusive alguns projetos sociais dedicados a tornar esta planta uma fonte de renda de comunidades carentes. 
(Veja o link da UFRGS nas referências, se quiser ver melhor o exemplo de um destes trabalhos).

Um último detalhe. Como boa parte das plantas aquáticas, a taboa absorve metais pesados e outros poluentes das águas. Isto é bom, muito bom, já que nos mostra que a natureza é capaz de se limpar, e podemos trabalhar para ajudar isso. Além disso torna a taboa uma planta capaz de participar de sistemas de purificação de água e de esgotos. Porém não é muito bom se você pretende comer esta planta (e talvez nem mesmo em alguns artesanatos... alguém gostaria de usar uma pulseira cheia de chumbo?).  Portanto sempre que coletar taboas com fins de alimentação, certifique-se que a água é de qualidade. Por exemplo, evite águas próximas à plantações que utilizem agrotóxicos, águas próximas à indústrias, e águas próximas à estradas de grande porte, ou ainda águas que estiverem cheias de lixo. Não custa nada lembrar.

Referências:
Valdely Knupp sobre Taboas (Vídeo PANCs - Parte 1)

Núcleo de estudos em desenvolvimento rural sustentável e Mata Atlântica
Sub-Projeto Macrófitas Aquáticas: http://www.ufrgs.br/desma/macrofitas.html

“Plantas daninhas do Brasil – terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas”, Harri Lorenzi. 4ª Edição, Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

"Botânica Sistemática - guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II", Vinicius C. Souza e Harri Lorenzi. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2005.

AVISO GERAL: Sempre que utilizar plantas comestíveis, certifique-se de colher a espécie correta, e que a planta esteja saudável e tenha crescido em bom solo (ou boa água, neste caso). Ou seja: evite plantas próximas à esgoto, lixo, sujeira, etc. Evite plantas com sinais de predação por insetos ou fungos. Não recomendo o uso de produtos agroquímicos sobre plantações ou populações selvagens, por qualquer finalidade. Leia atentamente as dicas e recomendações, no mundo biológico todo detalhe é importante.

16 comentários:

  1. blz. Meu nome he Fabiano Lima,assim como voçe eu gosto desse tipo de assunto.Soh uma pergunta:voçe jah experimentou essa planta(typha);porque tanto crua ,quanto cozida, me causou principio de asfixia; e olha que eu jah provei bastante tipos de plantas.Esse tal de Knupp comeu soh um pouquinho,acredito eu que tal planta naoh serve para base de alimentaçao.pra trocar ideia(indiohawk@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  2. Olá Fabiano!

    Então cara, já ouvi de gente que reclamou de problemas de indigestão, mas porque tentou comer a "salsicha" da taboa, não o pólen, que fica acima da "salsicha", ou o palmito e o tuberculo (que o Knupp come no filme). Eu já comi (confesso que não muito por falta de ocasião) um pouco do palmito e do tubérculo, e sempre que posso como o pólen à vontade (esse sim comi muito já). Nunca tive qualquer problema. Mas vou colher um bom bocado da próxima vez que tiver oportunidade.

    De todo modo sua dúvida é super-pertinente. Você pode ter talvez comido uma planta doente, com provavelmente algum fungo (para ter te causado asfixia). Também pode ser que tenha dado azar de ter encontrado algum componente da planta ao qual você, por azar, seja, alérgico - é de esperar que algumas dessas plantas comestíveis não-convencionais não tenham 100% de "receptividade fisiológica" pela nossa população. Aliás, meu palpite maior é que seja uma reação alérgica mesmo. Vale a pena sempre que provar um alimento novo ir com calma (afinal, até com frutos do mar ou peixes muitos temos algum tipo de restrição). Outras pessoas tiveram o mesmo problema? (Vale lembrar que esse tipo de alergia pode muito bem ser hereditária).

    Além disso, plantas aquáticas (assim como animais aquáticos) podem aglomerar uma boa quantidade de componentes químicos do ambiente ao redor, o que as torna mais variáveis quimicamente, especialmente em corpos d'água poluídos - ou mesmo, quem sabe, corpos d'água com muita biodiversidade diferente da que estamos acostumados ao redor ou dentro deles. Como era o lugar donde você as colheu?

    Esta resposta eu mandei por email, e estou publicando também aqui no blog, afinal esse assunto é muito importante. Tanto que deveria ter feito uma postagem geral sobre edibilidade de plantas e alguns truques e cuidados com isso à muito tempo, mas fui postergando, preferindo outros assuntos. Vou sanar isso assim que puder.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. PRECISO DE UMA PERGUNTA SE ALGUEM PUDER AJUDAR.
    TENHO UM AMIGO DE 10 ANOS DE IDADE, QUE ESTA PASSANDO POR UM TRANSTORNO CHAMADO, PURPURA. ME INFORMARAM QUE O POLEN DE TABOA É UM EXCELENTE COADJUVANTE NO TRATAMENTO. vOCE SABE DE ALGO, SOBRE ESTE ASSUNTO? COMO POSSO ENCONTRAR ESTE POLEM. rossanocipriani@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Olá! (segue mensagem que respondi via email também)

    Olha, sobre essa doença que você falou eu não sei nada, nunca tinha ouvido falar. Mas para achar Taboas não é difícil. Elas crescem em lagoas e represas por todo o país. E estão produzindo pólen boa parte do ano, é só procurar (o pólen é a parte que sai fácil na mão, bem no topo da planta, acima da parte que parece uma "salsicha" de longe). Só tome cuidado com aonde vc vai fazer sua colheita, procure lagos e represas limpos e puros, ou seja, longe de cidades principalmente.

    Abraço, espero ter ajudado.

    ResponderExcluir
  5. EU JA CONHECIA A PLANTA PELOS ARTESANATOS,MAS COMO ALIMENTO, ACHEI UM MAXIMO.PARABENS PELA DESCOBERTA, E PROMETO QUE VOU EXPERIMENTAR POIS NO SITIO DA MINHA MÃE TEM.PROMETO QUE DEPOIS CONTO PARA VCS.BJS!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    alguém pode me ajudar a descobrir onde vende o caule dessa planta? A "vareta" que chega a 2 metros é super leve e resistente, ótima para artesanato... vi uma vez e agora descobri o nome... se aalguém puder me ajudar eu agradeço... meu email é cnunescardoso@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não costumam vendê-las nos mercados não, Caio. E é tão fácil conseguir MUITAS indo ao campo!

      outra coisa que queria aproveitar aqui, tem que tomar cuidado pois ela acumula metais pesados que estejam na água!

      Viva o PANCS de Kinupp e a alimentação vegetariana! =)

      Excluir
  7. Caio, a resposta do Fábio foi ótima, teria sido a minha.
    Bom também o Fábio ter lembrado sobre os metais pesados. Eu já comentei sobre a poluição das águas ser retida nesse tipo de planta na postagem, mas sempre é bom repetir.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Queria saber como se fornece pra animais ruminantes; quantidade, se precisa secar, se existe alguma restrição ou se pode fornecer a vontade. Sou da região nordeste e estamos procurando alternativas para alimentação dos animais e na região a bastante taboa, nunca fornecemos esse tipo de alimento aos animais (bovinos de Leite).

    ResponderExcluir
  9. Manoel, infelizmente não sei o que te responder, não sei nada sobre alimentação de bovinos, nem de nutrição animal. Não sei se existe algum estudo ou experiência de uso dessa planta na alimentação bovina, mas imagino que não... Talvez te ajude ir conversar com alguém em alguma universidade próxima de onde você mora? Talvez até alguém resolva começar umas pesquisas, e descobrir mais um uso para as taboas.
    Bom, se descobrir sua resposta, por favor, traga aqui para gente que deve ter deixado muitos curiosos (como eu).
    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. valeu mesmo assim Felipe. no link - Valdely Knupp sobre Taboas (Vídeo PANCs - Parte 1)http://www.youtube.com/watch?v=Uf5CGKF7oZg&feature=related - me ajudou bastante...

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde! Estou trabalhando numa fazenda com pesquisas de tipos de artesanatos para ensinarmos aos colonos. Aqui tem muita taboa, e realmente é considerada até como uma praga, pois se prolifera muito e muito rápido, então pensamos em aprovetá-las para produzir... O problema está sendo descobrir como tratar, secar, deixar pronta para os trançados artesanais. Será que o senhor poderia ajudar? Obg.

    ResponderExcluir
  12. Olá,
    Nunca trabalhei com artesanato de Taboa, mas imagino que não deva ser muito diferente do trabalho com outras fibras vegetais.
    Pesquisando rapidamente, achei esta associação, que deve poder ajudá-los mais com todo o conhecimento de como fazer, de uma olhada e entre em contato com eles:
    http://artesol.org.br/rede/author/luis-correia/
    No mais, vamos conversando, no que precisar, só falar.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Olá Felipe, vc sabe de algum lugar próximo a São Paulo que exista essa planta??? Obrigado.

    ResponderExcluir
  14. Muitos, em São Paulo (capital) e no estado. É só andar pelas ruas e estradas de olho aberto, principalmente nas regiões de morros onde existem alguns lagos. Mas atenção: a região aqui de São Paulo é muito poluída, as águas principalmente, e esta poluição é retida pelas taboas, de modo que eu não recomendo quase nenhuma dessas taboas para consumo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Felipe! Vou ficar de olho pra ver se encontro, mas não vou come-la.

      Excluir